Sessões

Para saber mais sobre os palestrantes, clique sobre o nome de cada um deles.

 

TEMA 1 – ÁGUA, ESGOTO E SAÚDE PARA TODOS ATÉ 2030

Tópico 11 – Água para todos:

Sessão 111. O Direito Humano à Água: Acessibilidade e capacidade de pagamento pelo Serviço.

As exposições dos palestrantes abordarão os seguintes temas principais: evolução da prestação dos serviços: um balanço da situação de cobertura em diferentes continentes e países, cotejado com a meta de universalização do atendimento; iniciativas de extensão do serviço (cases) em diferentes países: escopo, metodologia, financiamento e resultados; a participação da população na concepção e implantação dos projetos, e na fase posterior de operação.

Sessão 112. Água Segura nas Favelas.

Os desafios da prestação de serviços de saneamento nessas áreas, tendo que lidar com falta de planejamento urbano, ocupação e uso irregular da terra, insegurança e criminalidade, depredação e vandalismo de instalações, falta de pagamento e uso de fontes alternativas inadequadas de água, entre outros. Ainda conexões irregulares de água, sem cumprir a boa técnica, que comprometem a qualidade da água e afetam a segurança da água distribuída, e a dificuldade de acesso interno nas favelas prejudicam a manutenção da infraestrutura instalada. Apresentação de casos bem sucedidos, compartilhando informações sobre projetos e destacando os principais desafios e propostas de soluções.

Palestrantes: Edes Fernandes de Oliveira – Cedae; Marcello Barcellos Motta – Sabesp; Angela Maria Domingues Biancolin – Sabesp; Eliane Alves – Sabesp; Juliana Almeida Dutra – Deep; Eduardo Pelaez Ortiz – EPM/Colômbia

Tópico 12 – Saneamento Inclusivo para Todos:

Sessão 121. Saneamento inclusivo da cidade.

O crescimento populacional nas cidades geralmente supera o planejamento formal e a expansão dos serviços básicos. Os ODS e a Agenda 2030 representam enorme desafio quando se trata de melhorar a cobertura e atender a populações urbanas em assentamentos informais e áreas periurbanas. Abastecimento de água e saneamento representaram desafios e mobilizam ideias inovadoras de governos locais, sociedade civil e provedores de serviços. A sessão apresentará conceitos para desenvolver serviços inclusivos, identificar boas práticas e discutir aspectos-chave para o sucesso e o fracasso em alcançar o acesso universal em uma cidade.

PalestranteVirginia Molose

Sessão 122. Água e Saneamento Rural.

A falta de saneamento em comunidades não atendidas por concessionárias estaduais e municipais de água e saneamento se deve basicamente à falta de viabilidade financeira, à necessidade de soluções tecnológicas diferenciadas e de cultura, para capacitar técnicos a lidar com soluções alternativas e participação da comunidade na gestão de sistemas. Serão apresentados os modelos SABA (Peru)+ e SISAR (Brasil), internacionalmente reconhecidos, e discutidos os desafios da gestão e a necessidade de avançar na cobertura do saneamento rural.

Palestrantes: Juliana Garrido – Banco Mundial; Carmen Molejon – Banco Mundial; Cesarina Quintana – Peru; Helder Cortez – CAGECE; Cícero Alves da Silva – SISAR; Virginia Molose;
Moderador: Mônica Bicalho – ABES/CT Saneamento Rural

Tópico 13 – Água e Saúde:

Sessão 131. Inovação em água e saúde.

As palestras abordarão a segurança da água, informação, inovação em saneamento e saúde, a fim de promover o debate entre os palestrantes e o público para responder às três perguntas chaves:
1. A partir dos problemas identificados no território, que são capazes de gerar mudanças nas estratégias de saúde e saneamento?
2. Como se livrar, ações intersetoriais com participação da comunidade, ações de saneamento e saúde há gerações?
3. Que alternativas são viáveis para superar o modelo atual de saneamento e saúde?

Palestrantes: Leo Heller – ONU; José Vieira – Universidade do Minho; Teófilo Monteiro – OPAS; Valerie Naidoo – WRC/Africa do Sul

 

Tema 2 – GOVERNANÇA E PLANEJAMENTO

Tópico 21 – Governança Corporativa das Operadoras de Água e Esgoto:

Sessão 211 – Como alcançar a boa governança nas operadoras de água e esgoto.

Nesta sessão, os participantes poderão conhecer de forma mais próxima os sistemas de GRC existentes e/ou implantados atualmente no setor saneamento, tanto no Brasil como também no exterior. Também poderão ter uma boa oportunidade para discutir o que tem sido pensado nesta área para o futuro.

Sessão 212 – Macro Gerenciamento.

Tópico 22 – Governança Integrada dos Recursos Hídricos:

Sessão 221 – Experiência Brasileira e Internacional.

Serão apresentadas políticas de água da Califórnia (EUA) e a África do Sul e também suas ações para superar a grave escassez pela qual esses lugares passaram ou ainda passam. Haverá uma breve análise de como as políticas de água existentes e as ações para enfrentar a escassez afetam ou afetaram a universalização do abastecimento de água e do esgotamento sanitário. Finalizando o painel, teremos uma análise dos efeitos da Lei das Águas sobre a universalização do saneamento e o combate à escassez no Brasil.

Palestrantes: Paula Kehoe – San Francisco Public Utilities Commission; Dhesigen Naidoo – WRC/Africa do Sul.

Tópico 23 – Planejando alcançar o ODS6:

Sessão 231 – Como as ações políticas contribuem para alcançar o ODS6.

Palestrantes: Joakim Giacomoni Vincent – SIAAPChristoph Platzer – GTZAlexandra Lauriat – SIAAP

Tema 3 – GESTÃO EFICIENTE

Tópico 31 – Controle de perdas de água:

Sessão 311- Enfrentar perdas de água e colaborar com segurança hídrica.

O ODS 6.4 da ONU promove a eficiência do uso da água a fim de se assegurar retiradas sustentáveis e o abastecimento para enfrentar a escassez. A redução de perdas dialoga com este objetivo à medida que a eficiência operacional, ao mesmo tempo em que reduz a captação nos mananciais, reduz custos, melhorando a capacidade de investimento das empresas de abastecimento. Serão abordados o nível de perdas que é aceitável à sociedade suportar, o que está sendo empreendido e como a sociedade pode engajar-se na questão.

Palestrantes: José Bonifário; Vicente Andreu ; Valerie Naidoo – WRC/Africa do Sul; Edison Carlos – Presidente do Instituto Trata Brasil

Palestrante: Valerie Naidoo – WRC/Africa do Sul

Sessão 312 -Taxa natural de aumento de perdas reais em sistemas de distribuição urbanos.

Se não fizéssemos nada ou interrompêssemos nosso programa de gerenciamento de perdas de água, quanto aumentariam nossas perdas por ano e como isso afetaria nossa capacidade de fornecer um abastecimento sustentável e seguro de água potável a nossos clientes? Nesta sessão, você aprenderá como calcular a taxa de aumento das perdas reais em seu sistema e conhecerá outras utilidades que calcularam esses valores e os utilizam para garantir a combinação ideal de OPEX e CAPEX a cada ano.

Palestrantes: Julian Thornton – IWA WLSG; Jairo Tardelli Filho – ABES; Francisco J. Falcão Paracampos – Sabesp

Moderador: Airton Sampaio Gomes – Banco Mundial

Workshop sobre o cálculo da taxa natural de aumento de perdas reais.

 

Tópico 32 – Eficiência energética com duas sessões:

Sessão 321 – Produção de energia em sistemas de saneamento.

O objetivo é alcançar o conhecimento prático atual e aplicável às empresas responsáveis pela produção e distribuição de água, apresentando tecnologias que permitam o planejamento adequado de infraestruturas e procedimentos operacionais dentro da eficiência energética, com foco no uso de energia limpa, incluindo o biogás, combinando custo redução, eficiência e sustentabilidade. Voltado a profissionais, gestores públicos e privados, professores, pesquisadores e estudantes da área de água e saneamento.

Palestrantes: Christoph Platzer – GIZ México; Rui Cunha Marques – Universidade de Lisboa

Moderador: Gustavo Rafael Collere Possetti – Sanepar

Sessão 322 – Sistemas de gestão de energia em prestadores de serviço.

Introdução no gerenciamento de energia através das experiências de empresas de água com gerenciamento aprimorado de energia com e sem a certificação ISO 50001 e um painel de discussão com especialistas com experiência prática e relevante no setor de água e saneamento relacionado ao gerenciamento de energia. Especial enfoque será colocado em como transpor para a agenda local o ODS 7 – Energia sustentável e moderna para todos.

Palestrantes: George Soares – Cepel; Edymilson Luiz dos Santos – Sanepar

Tópico 33 Gestão do desempenho:

Sessão 331 – Água para todos a longo prazo através de gestão de ativos.

Painel com operadores de água, autoridades nacionais e regionais e especialistas com diferentes abordagens para uma melhor gestão de ativos. Procedimentos internos de organização serão debatidos para melhor tomada de decisões e gerenciamento de ativos (como inventários de infraestrutura, informações sobre conservação e valor econômico e construção de linhas de tendência de indicadores históricos para estratégias de ativos).

Palestrantes: Carlos Werlang Lebelein – LMDM Consultoria; Mansour Mawlid Mandemla – Ministério da Água e Irrigação da Tanzânia; Diogo Faria de Oliveira – Grupo de Apoio ao Plano Estratégico Nacional de Água e Saneamento de Portugal

Sessão 332 -Avaliação de desempenho em prestadores de serviço de água usando os indicadores certos.

Tendo como fio condutor o ODS6, a sessão apresentará esquemas de avaliação do desempenho das empresas de abastecimento de água, chamando a atenção para as categorias medidas pelos mesmos. Ainda, um painel de discussão com especialistas que desafiará o público a responder às seguintes perguntas: Como um serviço de água deve ser avaliado na minha região? Quais são os aspectos locais que devem ser levados em conta para avaliar o desempenho?

Palestrantes: André Braga Galvão Silveira – Ministério das Cidades; Samuel Barbi Costa – ABAR; Carlos Schauff – PNQSCorinne Cathala – BID; Rui Cunha Marques; Samuel Alves Barbi Costa;

 

Tema 4 – FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO

Coordenadora: Anna Virgínia Muniz Machado

Tópico 41 – Melhorando a Educação e a Capacidade:

Sessão 411 – Sociedade Civil – Gestão de Recursos Hídricos.

Sessão 412 – Concessor – Legislação, Regulação e Financiamento.

PalestranteGuillermo Saavedra

Sessão 413 – Operador e Prestador de Serviços.

PalestranteCarlos Chernicharo; Josep Lluís Sala;

 

 

Tema 5 – FINANCIAMENTO

Tópico 51 – Financiando o ODS 6:

Sessão 511 – Metodologia de Financiamento para o Desenvolvimento de Projetos de Água.

Sessão 512 – Financiamento para projetos de águas residuais.

Tópico 52 – Economia e Financiamento de Investimentos Inovadores:

Sessão 521 – A ser definido.

 

 

Tema 6 – MONITORAMENTO & RELATÓRIO DO ODS 6

Tópico 61 – Sistemas de Monitoramento:

Sessão 611 – Experiências em Indicadores para Monitoramento do ODS 6.

Os participantes poderão conhecer os sistemas de monitoramento existentes relacionados à distribuição de água, esgotamento sanitário e gestão de recursos hídricos, no Brasil e em outros países. Será discutido ainda o que tem sido pensado para o futuro e medidas em andamento. Será possível entender se as informações e indicadores existentes hoje no país são suficientes para mostrar a situação real das metas preconizadas no ODS6, ou se seria interessante pensar em novos caminhos a serem seguidos para o seu alcance.

ModeradorGesmar Rosa dos Santos
Palestrantes: Enrique Cabrera, Angela Renata Cordeiro Ortigara

 

Tema 7 – REGULAÇÃO

Tópico 71 – Modelos Institucionais e Estrutura Regimental:

Sessão 711 – Regulação e sua contribuição ao ODS 6.

A sessão irá abordar a regulação por meio de práticas exitosas internacionalmente reconhecidas (seus desafios e conquistas) – respeitando as dimensões políticas, sociais, econômicas e ambientais de cada local – e que podem ser objeto de benchmarking entre reguladores e regulados. A sessão pretende demonstrar a essencialidade da regulação para a gestão sustentável da água, como instrumento de controle e segurança em direção ao atingimento das metas constantes no ODS6.

OradorOscar Pintos

Sessão 712 – Modelos Centralizados e Descentralizados.

Abordagem sobre os modelos regulatórios internacionalmente reconhecidos e essenciais para sustentar políticas públicas sólidas sobre serviços de água. Ainda, abordará a coerência regulatória entre os níveis supranacional, nacional e subnacional, identificando questões transversais que promovam abordagens regulatórias que reconheçam os atuais desafios ambientais, os ciclos e as crises hidrológicas, bem como as mudanças econômicas e sociais.

PalestranteAlberto Monfrini

 

Tópico 72 – Questões tarifárias:

Sessão 721 – Determinação da Tarifa Média.

Metodologias utilizadas para o cálculo das tarifas médias dos serviços de água e esgotos e a relação com o custo real do metro cúbico da água distribuída e do esgoto coletado; critérios para cálculo de tarifa por meio de modelos que se utilizam de dados exclusivamente contábeis ou mistos; modelos matemáticos, critérios para delimitação da área urbana abastecível, projeções de demanda, planos de saneamento, indicadores, vida útil dos componentes, valor residual dos ativos, Capex (investimento) e Opex (custos operacionais), amortizações, impostos e juros.

Sessão 722 – Estruturas Tarifárias (Subsídios cruzados).

Discussão sobre a estrutura tarifária e os princípios distributivistas, de subvenção, subsídios internos, subsídios externos e penalidades. Isto, na lógica de utilização de uma estrutura tarifária que vise a manutenção de uma tarifa módica com os subsídios demonstrados de forma transparente. A intenção desse painel permeará esta discussão e de que forma podemos garantir o acesso à água potável como direito humano, considerando os custos inerentes à produção de água potável e os investimentos necessários a serem realizados.

PalestranteFrederico Araujo Turolla

*Políticas de Subsídio; Tarifa social; Consumo mínimo ou tarifa de adesão; Contratos de demanda firme; Tarifas diferenciadas para coleta e tratamento; Água por atacado; Água pré-paga; Tarifa sazonal; Água de reuso.

 

Tópico 73 – Capacitação para Regulação:

Sessão 731 – Interface da Regulação e Atores.

Troca de experiências internacionais sobre o processo de capacitação dos agentes do setor de abastecimento de água e esgotamento sanitário em temas relacionados à regulação técnica e econômica, visando compreender os fundamentos básicos e identificar os benefícios da boa regulação para a sociedade, para o poder concedente e para o prestador de serviços. Será discutido como tornar real e efetiva a participação da sociedade nas discussões e decisões da regulação do saneamento, e como capacitar o poder concedente, particularmente as municipalidades.

*Experiência internacional sobre o processo de internalização da importância da regulação pelos entes regulados e capacitação técnica das agências reguladoras.

 

Tema 8 – COMUNICAÇÃO & TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Tópico 81 – Comunicação e Sustentabilidade: as empresas e o desafio frente à Sociedade:

Sessão 811 – Palestra case de comunicação da Comissão das Operadoras de Água de São Francisco + Comunicação das organizações com os setores de água e meio ambiente e a sociedade.

Os debates nesta sessão têm como objetivo apresentar estratégias de comunicação integrada bem sucedidas na missão de comunicar as questões de sustentabilidade e debater os desafios de lidar com uma audiência cada vez mais diversificada e polarizada, para promover ações de gestão ambiental de forma participativa e focada na sensibilização da sociedade.
Cases: Itaipu Binacional; Sabesp

Palestrantes Paula Kehoe – San Francisco Public Utilities Commission; Laurence Pellisson-Demoulin – SIAAP
Moderador: Edson Carlos – Trata Brasil

Tópico 82 – Tecnologia e Comunicação – Um Mundo Dinâmico:

Sessão 821 – Redes sociais, tecnologia e comunicação para a sustentabilidade: um mundo dinâmico.

Os debates têm como objetivo a troca de experiências entre representantes de organizações com forte atuação nas redes sociais e em inovação tecnológica, além de especialistas reconhecidos para discutir como Comunicação e Tecnologia da Informação podem melhor se integrar a fim de comunicar com mais eficiência a um público global e implementar projetos em relação a temas ambientais. Abordaremos: a tecnologia para comunicação e a tecnologia para a implantação dos projetos ambientais.

Palestrantes: Ricardo Novaes – WWF SOS Mata Atlântica
Moderador: Dante Ragazzi Pauli – ABES CT Comunicação no Saneamento

 

 

Tema 9 – MUDANÇAS CLIMÁTICAS E A ÁGUA

Tópico 91 – Fontes alternativas de água:

Sessão 911 – Planejamento de água de REÚSO para garantir água segura e economicamente acessível para TODOS;

Visão geral do que está sendo feito pelos países pioneiros em reutilização (EUA, Israel, Namíbia e Austrália) como uma fonte alternativa de abastecimento de água em termos de regulamentos, planejamento, políticas e desenvolvimento sustentável. Além disso, as agências/organizações internacionais que trabalharam em questões relacionadas aos critérios/parâmetros de qualidade do efluente de água de reutilização compartilharão suas percepções.

Palestrante: Mauro Nalesso

Sessão 912 – Diversificação da Matriz da Água:  Como viabilizar essa a Dessalinização?

A busca por novas fontes de água potável está emergindo como um dos principais desafios de recursos do século XXI e é urgente que os países com escassez adotem políticas de segurança hídrica. Nesta sessão teremos quatro tópicos principais:
– tecnologias de dessalinização;
– dessalinização da água do mar nas zonas costeiras;
– dessalinização de águas subterrâneas salgadas nas regiões do interior;
– esforços para moldar a política de segurança hídrica com base na dessalinização e no envolvimento da comunidade.

PalestrantesVictor Gutierrez – Águas de Antofagasta/Chile

Tópico 92 – Água e a Adaptação às Mudança Climáticas:

Sessão 921 – Gestão de recursos hídricos em situações de secas.

Palestrantes abordarão experiências em gestão de secas; ainda, um painel com especialistas que lidam com os desafios da escassez de água no Brasil, África do Sul, Peru e EUA, entre outros; reflexão sobre possíveis medidas de adaptação às mudanças climáticas, com foco na escassez de água e os procedimentos subsequentes de acompanhamento. Foco especial no ODS 13 – Tomar medidas urgentes para combater as mudanças climáticas e seus impactos, particularmente sobre as metas 13.2 – Integrar as mudanças climáticas.

Painel: Paula Kehoe – San Francisco Public Utilities Commission; Eduardo Sávio Martins – FUNCEME; Rosa Maria Formiga Johnsson – UERJ; Dhesigen Naidoo – WRC/Africa do Sul; Fausto Roncal – Ministério de Saneamento/Peru.

Sessão 922 – Mudanças Climáticas e a Água: Acesso a água e aos Recursos Naturais.

Abordagem de organizações de referência em gestão e mitigação de riscos associados à mudança de clima e recursos hídricos, com atuação regional e internacional. Panorama sobre visões formadas e inspiradoras sobre três principais desafios (pontos nevrálgicos da agenda): arranjos locais de governança; financiamento para gestão e mitigação de riscos relacionados à mudança do clima e água; regulação e instrumentos econômicos aplicados à implementação de políticas públicas voltadas à mitigação de riscos e gestão da água.

Palestrante: Stefanie Schulte

 

Tópico 93 – Água e Mitigação das Mudanças Climáticas:

Sessão 931 – CND- Contribuições Nacionais Determinadas/Acordo de Paris – Países pioneiros partilham as suas estratégias.

Visão geral sobre o que está sendo feito pelos países líderes do NDC (México, Peru, Colômbia e Brasil) no campo dos serviços de abastecimento de água e saneamento em termos de estratégias de desenvolvimento sustentável, políticas, planejamento e regulamentação. Haverá ainda um painel de discussão com especialistas que conduziram as avaliações e estudos de linha de base. Um foco especial está sendo colocado no ODS 13 – Tomar medidas urgentes para combater as mudanças climáticas e seus impactos.

 

EVENTO WATER & BUSINESS

ABES/Pacto Global/CNI/CEBDS